Arquivo da tag: sup

8 lagoas paradisíacas do litoral potiguar para pesseio de Stand up paddle

O Rio Grande do Norte é conhecido por suas belezas naturais, em especial as maravilhosas praias, mas o Estado abriga ainda lagoas encantadoras, algumas de águas cristalinas, como as de Nísia Floresta, a 40 km de Natal. O passeio é perfeito para fugir da cidade com amigos e família e aproveitar para nadar, fazer esportes aquáticos como o stand up paddle, flyboard, vela e caiaque, ou simplesmente relaxar. Confira a seleção do apaixonado por viagens Joilson Garcia para o site Apartamento 702.

Litoral Norte

1. Lagoa Peracabu ou Piracabus

Foto: Claudio Antonio da Silva

Foto: Claudio Antonio da Silva

Lagoa Peracabu, em Maxaranguape

Essa maravilha fica no município de Maxaranguape e é ideal para passar um dia agradável relaxando ou curtindo esportes aquáticos como o stand up paddle ou caiaque. O acesso é feito de carro, pela estrada que liga Maracajaú a Caraúbas, ou de buggy, pela praia de Maracajaú, logo após o Manoa Park. Para mais informações de como chegar, ligue para (84) 9931-7230 e fale com Rosineire, que também oferece passeios de cavalo, quadriciclo e buggy pela região.

2. Lagoa da Cotia

Foto: Luis Barros

Foto: Luis Barros

Lagoa da Cotia, no litoral norte do Rio Grande do Norte

A belíssima e encantadora Lagoa da Cotia fica no município de Rio do Fogo, a 65 km de Natal. O acesso se dá pela BR-101 até a entrada da Praia de Zumbi. Na rotatória, entrar à esquerda e seguir por uma estrada de barro por cerca de 1 km. No local, é permitido o acesso ao público, porém, às margens da lagoa existem propriedades privadas (R$ 10,00 a entrada). Há também bares que servem refeições e alugam outras estruturas de lazer.

3. Lagoa de Jacumã

Localizada no município de Ceará Mirim, a 35 km de Natal, a Lagoa de Jacumã é excelente para quem quer um banho de água doce e ter um pouco mais de aventura curtindo a famosa tirolesa e o skiágua. Na tirolesa, por meio de um cabo de aço, o turista desce da duna e cai dentro da lagoa; já no no Skiágua, você escorrega na duna em cima de uma espécie de lona até chegar à lagoa. Uma sensação incrível.

Foto: Trilhas e Aventuras

Foto: Trilhas e Aventuras

Lagoa de Jacumã

4. Lagoa Azul

A deslumbrante e paradisíaca Lagoa Azul fica no município de Maxaranguape, a 60 km de Natal. O lugar é de uma beleza impressionante. Além de desfrutar de um maravilhoso banho nas suas águas quase minerais, o turista também pode fazer passeios de buggy pela região, ou se preferir, tem as trilhas para os mais ávidos. O acesso se dá pela BR-101 até o trevo de Pititinga, entre à esquerda e siga por uma estrada de barro por cerca de 2 km, sentido Ceará-Mirim, depois entre à esquerda até chegar à Lagoa. Às margens da lagoa há um bar que serve refeições de comidas típicas da região.

Litoral Sul

1. Lagoa Carcará

Foto: Alex Uchoa

Foto: Alex Uchoa

Carcará, no litoral sul

Um dos lugares paradisíacos do Rio Grande do Norte, a exuberante Lagoa do Carcará tem água límpida e transparente, um espetáculo aos olhos para quem a visita, um verdadeiro paraíso. Em volta da lagoa, existem restaurantes com comidas regionais. O local também é propício para a prática do windsurf, além de dispor de caiaques e pedalinhos que podem ser alugados pelo turista. Essa lagoa faz parte do sistema “Lacuste Bonfim”, composto por várias lagoas da região.

2. Lagoa de Arituba

Para quem procura ar puro, muito verde, tranquilidade e um ótimo lugar para contemplação da natureza, a Lagoa de Arituba é a ideal. Suas águas cristalinas é um convite para um delicioso banho, desfrutando de momentos de paz e descontração. Para aqueles que gostam de atividade física, também podem fazer um  passeio de caiaque ou de pedalinhos, apreciando a beleza singular do lugar.

Foto: Alex Uchoa

Foto: Alex Uchoa

Um dia relaxante na Lagoa Arituba

3. Lagoa do Bonfim

Divulgação

Divulgação

Lagoa do Bonfim, no RN

E por último, tem a Lagoa do Bonfim, a maior do Rio Grande do Norte, muito procurada pelos praticantes do Flyboard, devido ter uma boa profundidade. Você também pode fazer o stand up paddle, andar de caiaque ou de jet-ski, uma experiência incrível. No finalzinho da tarde, aprecie um espetáculo da natureza, um belíssimo pôr do sol desde a lagoa, para recarregar as energias da alma e as boas expectativas para o dia que virá.

4. Lagoa de Alcaçuz

A Lagoa de Alcaçuz é outra boa pedida. Além de desfrutar de um relaxante banho, você também pode fazer passeios de quadriciclo pela região, ou se preferir, tem as trilhas para os mais ávidos. Para quem não quiser se hospedar na cidade, algumas empresas de turismo oferecem um tour por Alcaçuz saindo de Natal.

Anúncios

KARIN SIERRALTA: “A VECES PIENSO QUE EL SUP PODRÍA LLEGAR A REEMPLAZAR AL SURF”

KARIN SIERRALTA: “A VECES PIENSO QUE EL SUP PODRÍA LLEGAR A REEMPLAZAR AL SURF”

  • Publicado por Fernando Labad
  • El 31 agosto, 2015

El pasado 10 de febrero la Asociación Panamericana de Surf (PASA) se renovaba con la llegada del peruano Karín Sierralta a la presidencia, y se propone llevar el surfing a los Panamericanos Lima 2019. Fue el resultado de las elecciones democráticas por las que organizaciones nacionales de 22 países del continente eligieron su nuevo comité ejecutivo.

De larga trayectoria en la gestión del surf en la región, el directivo peruano se desempeña también como director ejecutivo de la Federación Deportiva Nacional de Tabla, presidente ejecutivo del Tour Profesional ALAS y vicepresidente de la International Surfing Association.

Conocí a Karin en unos de mis viajes a Perú con la selección de la Federación Española de Surf en el 2010. No tardé en darme cuenta de que era un apasionado de sus olas, de su gente y de su trabajo. Desde entonces sigo, desde la distancia continental, su labor al frente de los diferentes cargos que desempeña. Para mi supone todo un ejemplo y el espejo donde reflejarme. Es admirable cómo ha integrado el SUP dotándole cobertura institucional, un trabajo tedioso,  a veces ingrato, y alejado de los focos deslumbrantes de los pódiums.

Es por ello que quiero dedicarle mi primera entrevista en el blog de SUP Traveller.

Fernando Labad: Sabemos que eres un gran surfista pero que también te encanta hacer SUP con tu familia. ¿Podrías definir el Stand Up Paddle en pocas palabras?

Karin Sierralta: Te diría que el SUP es un deporte completo, divertido, seguro que puede practicarse a cualquier edad sin necesidad de tener un buen estado físico, ni preparación previa. Simplemente es una actividad apta para todos.

FL: ¿Cómo estás viendo el progreso del SUP en tu querido Perú?

KS: Si bien ha crecido mucho en los últimos años no veo el crecimiento que puedo ver en otros países y es que Perú es un país de Olas y el SUP, sobre todo el de paseo o race, evoluciona más rápido en aguas tranquilas.

FL: ¿Qué futuro le auguras dentro de los organismos en los que estás trabajando? ¿Qué planes tenéis para ello?

KS: El futuro es demasiado grande para definirlo hoy. Al punto que a veces pienso que podría llegar a reemplazar al surf. Simplemente la tecnología avanza tan rápido que hoy los SUPers pueden hacer casi todas las maniobras que hacen los surfers.

En cuanto a planes. En el Tour ALAS ya incluimos el SUP Surf desde el año pasado y se están viendo proyectos para hacer el Tour de RACE, probablemente la primera etapa sea este año en un país de Sudamérica.

En PASA debemos seguir la misma línea e incluir el SUP en todos los eventos.

Nos falta promover el SUP en categorías menores así que lo más probable es que lo haga PASA.

FL: ¿Ves en el Stand Up Paddle un importante motor para el desarrollo turístico en tu continente?

KS: Totalmente, ya tenemos información que solo en EEUU el SUP es considerado la actividad mas realizada por los turistas.

Es una actividad perfecta para el turista, muy divertida y fácil. En todos los lugares tenemos agua como lagos, ríos, mar y por ultimo hasta en piscinas. Creo que el SUP seguirá creciendo muy rápido.

FL: Recientemente, durante tu viaje a Europa, has estado visitando y surfeando la ola de Surfsnowdonia. Has podido constatar el trabajo conjunto entre grupos privados de inversión y administración. ¿Qué impresión te has llevado de esta experiencia?

KS: Me encantó poder confirmar que el Surf esta en todos lados. Lo que se viene en esta década son las Olas artificiales y poder hacer surf en cualquier parte del mundo.

El Surf se ha vuelto muy atractivo para los inversionistas y esto debido a la gran masificación del deporte en el mundo entero.

FL: Los que hemos viajado a Perú sabemos de su inmenso potencial en olas de calidad mundial. ¿Qué le dirías al viajero que aún no os conoce y que elije otros destinos más famosos, pero también más concurridos?

KS: El Surfer que quiere surfear todos los días, tiene que venir a Perú donde nunca faltan las olas. Los días mas flat´s encuentras olas de medio metro.  Que no tenemos tiburones, la comida es exquisita y la gente super amigable. El Perú es para la gente que quiere hacer todo intensamente.

FL: Por último, ¿cuál es tu opinión acerca del concepto de SUP Traveller?

KS: Pienso que será una gran herramienta para los SUPers del mundo. Quiero felicitarte por la iniciativa, creo que el proyecto esta en el camino correcto y se viene en grande, así como saber el SUP Español se encuentra en buenas manos. También agradecer tus palabras hacia mi persona.

FL: Muchas gracias querido compañero. Espero verte pronto compartiendo las mismas olas.

original article from :

http://www.suptraveller.com/karin-sierralta-a-veces-pienso-que-el-sup-podria-llegar-a-reemplazar-al-surf/

SUP AND PRONE PADDLE RACES – NUTRITION AND DRAFTING STRATEGIES

NUTRITION AND DRAFTING STRATEGIES FOR LONGER SUP AND PRONE PADDLE RACES

0 COMMENT

 01 MAY 2014   POSTED BY MATTWRIGHT

The 2014 Carolina Cup is in the bag. By all accounts, this race is quickly becoming or has become THE race of the early season that all the pros want to do well at and many of the age groupers we talk with are focusing on as their A-priority race. Huge kudos to the event promoters for putting on a professional and extremely well organized event in a killer location.  If you missed the race this year – you now have 355 days to get training. Don’t dilly dally.

The Carolina Cup course is a grueling one with chop, headwinds, and current.  It is a grueling course that is longer than most SUP races. Therefore, two aspects of the race are critical to success in Carolina.

First, to do well at Carolina you are going to have to learn how to paddle in a draft train. With the rise of Carolina as THE early season race, any discussion as to whether drafting should be allowed in SUP is essentially dead(1). If you want to do well in Carolina you need to know how to draft. In the second article in this series, we will discuss drafting tactics as we saw many paddlers make “rookie” mistakes related to the psychology and tactics of the drafting train.

Second, to do well at Carolina you are going to have to get your nutrition dialed in. We heard from too many paddlers that they blew up before the end of the race. We know many of these paddlers and we know that they did not race to their potential. Even if you are Danny Ching, this race is going to take you nearly 2.5 hours. There is no possible way you can race 2.5 hours on a banana and small bottle of water or Gatorade but that is what some paddlers we talked with tried to do.

As a general rule you need to focus on 3 areas when it comes to race nutrition

If you fail at any of these three you are not going to race to your potential. As they say “plan to succeed or fail to plan.” The corollary to that statement is that if you do not plan your nutrition you are going to fail. In the Riding Bumps book there is a chapter on race day nutrition. It is outside the scope of this post to recount everything we have in that chapter. If you have not yet read the book – now is your time. We discuss everything from how many calories to eat before the race to what you should

article from : http://www.ridingbumps.com/2014/05/01/carolina-cup-redux-nutrition-and-drafting-strategies/

be putting in your Camelbak during the race.

The problem with nutrition is that when things get hectic during a race most racers forget about their nutrition and once you get behind the eight ball it is almost impossible to catch up. Rule #1 with race nutrition is to plan ahead and stick to your plan. For many racers that means eating and drinking on schedule. Do not wait until you are hungry or thirsty. Set a timer and eat and drink like a robot. Remember Consuming a given amount of carbohydrate after two hours of exercise is not as effective as consuming the same amount at 15 to 20 minute intervals during the first two hours of activity. 

why do I love paddle boarding so much?

If you’ve been keeping up with Mark’s Daily Apple, you know that standup paddling is a longtime favorite pastime of mine. And though I was into it before it was “cool,” I’m certainly not the first. Fishermen have been paddling their water vessels from a standing position for thousands of years and pre-contact Hawaiian surfers employed long paddles to reach the best waves on their 3-5 meter-long boards. In the mid-20th century, Oahu surf instructors would lead classes atop longboards with paddles, but it wasn’t until Laird Hamilton and Dave Kalama started standup paddling (and being filmed doing it) that the sport gained broad “sport” status and board makers began producing dedicated SUP boards.

So, a lot of people have asked: why do I love paddle boarding so much?

I love the minimalism of paddling. Consider snowboarding, which I also love. Snowboarding requires a bunch of equipment. You gotta get the lift ticket. You gotta wear the cold weather gear. You need to strap on the boots. You gotta ride the lift and wear the goggles and check the conditions. It’s exhausting. Exhilarating, too, and I look forward to it every season, but you can’t beat the simplicity of slipping into the water and hopping up on your board with just some shorts and a paddle and no plan at all.

I can’t do traditional meditation. I’ve tried. I know the benefits. It just doesn’t work for me. But paddling? Getting the angle of the paddle just right as it enters the water with the least resistance? Engaging every muscle, however minor and seemingly inconsequential, to pull against the water? Paddling is my meditation. To get the angle of the paddle as it enters the water just right with the least resistance. I never even really think of it as a workout, although there’s not a better core program if you have good technique. Since taking up paddling, I’ve really developed my serratus anteriors to go along with the standard abs.

Shoulder problems? Don’t worry. With proper form, the shoulder is stabilized when you paddle. The arms in both top and bottom position are maintained fairly straight throughout the stroke; think of a “V” emanating out from the shoulder, formed by the two straight arm. Most of the actual “work” is done with the lats, the serratus, the abs, the hips, and the legs. Overall, paddling with proper form is a fantastic shoulder external rotation “pulling” movement. Since the majority of people are biased toward interior rotation of the shoulders, tight pecs, and a slumped, inactive thoracic spine, usually from too much computer and smartphone usage, standup paddling is a godsend for shoulder health. Even gym rats, who tend to be bench press addicts, can benefit from adding more restorative pulling or external rotation at the shoulder. Many experts think your pulling (pullups, rows) should outweigh your pushing (pushups, bench, overhead press, dips) by at least 2:1. Paddling is a productive and enjoyable way to do it. When I have shoulder problems from the gym, paddling actually helps iron them out.

Santa Barbara Lifestyle Photographer Doug Ellis

Compared to kayaks and canoes, standup paddle boards give you a unique vantage point. Whereas the seated water vessels direct your focus toward going and moving forward and working hard, standing up directs your gaze downward and outward across the horizon. When I paddle, I can see everything below and around me, and because paddling itself is such a relaxed, meditative process, I’m inclined to take advantage of the increased visibility. If the water’s clear (as it is in Malibu), you’ll see some incredible things swimming below that you’d simply miss if you were trying to catch waves or cut through the water in record time. Standup paddling encourages exploration, and rewards it.

Cool things happen when you paddle. You might meet new people (SUPers are some of the coolest folks around, in my experience), you might catch a wave or two, you often see incredible wildlife (especially in Malibu – seals, dolphins, schools of bat rays and other large fish, etc.), because you can see straight down below.

A few weeks ago, I bought a new “starter” board on which to train first-timers (Costco, delivered free to the house!). The next Saturday I went down to the beach locker where I keep my boards and saw that there was a SUP race taking off just a few hundred feet up the beach. I figured I’d try the new board out in that race, so I registered. Big mistake. 20 paddle strokes in I could see that this board, while extremely stable and easy to ride, was a barge compared to my regular sleek board. This 5-mile ocean race was going to be a hurt dance if I was thinking of maintaining any real speed. And I couldn’t just drop out because, well, I knew too many people watching on the beach, so I settled in for a good workout and vowed to enjoy whatever happened. Rounding the final buoy about a mile and a quarter off shore, lost in the meditative paddling “zone” but aware of my surroundings, I was startled to look up and see not 50 feet away a large mama gray whale and twin calves just lolling in the water. This is a rare, rare sight, the kind of thing whale watching enthusiasts dream about. The people on SUPs around me were equally surprised, and we all just stopped — mostly because we were waiting to see if she and the kids might dive underneath us. It was fantastic and exhilarating to be that far from shore, in fairly choppy water wondering who would make the next move. As it turned out, we racers all agreed to take a 2-minute timeout and just “be” in this once in a lifetime moment. It was one of the coolest experiences I’ve had. And that’s the kind of thing that can happen when you paddle.

Santa Barbara Lifestyle Photographer Doug Ellis

Interest piqued? I bet it is.

Here’s how to get started:

For beginners, I always recommend larger, wider boards like the Costco board mentioned above. The bigger the board, the better the stability. There’s nothing so demoralizing (and quick to discourage further paddling) to a newbie than repeatedly falling into the water because the board’s too wobbly and your balance is too underdeveloped. People with extensive surfing, snowboarding, skateboarding, or other board-riding experience can probably get away with smaller boards, but the majority of beginners will get the most out of a wider, more stable board. Softer tops (as opposed to harder ones) also tend to favor the beginner.

Another choice to make is between planing hulls and displacement hulls. Boards with a planing hulls are like surfboards, sitting flat atop the water. These are great for all-around use, catching waves, and general fun on the water. Displacement hulls cut through the water, more like a kayak. They’re intended for racing and long-distance touring. I recommend most beginners start with planing hull boards until they get a feel for what they want out of paddling. If you get really into the sport and want to start racing or going long distance, you can always switch to a board with a displacement hull.

Buy at a shop rather than online for your first one. Many shops offer renter programs where you can try before you buy, and they’re full of passionate experts who will guide you toward the best board for your situation. Also, get fitted for a proper non-adjustable paddle; they tend to be higher quality than the adjustable ones.

Other than that? Just go try it. As I said earlier, it’s so simple and requires so little equipment (beside the board and paddle) that you can slip into the water and have fun. Ocean, lake, pond, river — all it takes is some water. If you’re a little unsteady, start on your knees. If you fall off, laugh and get back on. No one’s watching. No one cares.

StandupPaddleat60540

Oh, and be sure to respect the locals, particularly if you’re trying to surf waves.

That’s about it for today, folks. If you have any questions about standup paddling, leave them down below. If you have any comments, tips, or advice for beginners, do the same.

Thanks for reading, everyone!

Read more: http://www.marksdailyapple.com/why-i-paddle-board-and-why-you-should-try-it/#ixzz3ibsWGG2J

http://ww.surfcamppipa.com

http://www.surfschoolpipa.com

Top 5 Wavecation spots for SUP – stand up paddle

Top 5 Wavecation spots for SUP

Five Great SUP Trips for Your Next Vacation

If you’ve been getting into the Stand Up Paddle scene over the last few years you’ve probably realized it’s a really great way to explore previously unsurfed areas as well as your local waterways. Now you may be ready to take your skills on the road and explore someplace new.  Are you yearning to embark on your own paddleboard travel adventure but don’t know where to start?  Here’s a list of five exceptional and unique SUP getaway destinations and accommodations.  So just sit back, relax and day dream about your next SUP trip.


Gerry Lopez taking off on a clean wall somewhere near Punta Mita, Mexico.

Punta Mita, Mexico

The Waikiki of Mexico, this laid back and tourist-friendly area is only 20 minutes from the airport in Puerto Vallarta and SUP is taking off in a big way down there. From the point break in funky Sayulita, to the rolling waves of Anclote, or the downwinders along the sparkling coast, this gorgeous peninsula is set up perfectly for stand up paddle fun.  When you go, check out the beachfront Cinco Hotel. This upscale hotel is doing a fabulous job of catering to the SUP community.  The owner has teamed up with the Pipe Master himself, Gerry Lopez, to offer SUP and yoga camps (next one is May 24-26). Not only does the hotel have SUP boards on site for guest use, but the rooms also look directly onto the Anclote surf break – known as one of the best beginner waves in Mexico.

Dana Point, California

Dana Point is a picturesque beachside community and a SUP hotspot. In the heart of Dana Point you’ll find Doheny Beach, home to the annual Battle of the Paddle and other SUP races throughout the year. Around the corner is Baby Beach, a wide sandy beach that serves as a meeting place and entry point for flat water paddling in the harbor.  For a perfectly located place to stay in Dana Point try the Dana Shores condo.


View from the Dana Shores Condo. The Strand surf break down below and the Ritz-Carlton on the next point.

Perched atop a bluff with commanding views of the dazzling coastline and passing whales, this 2 bed/2 bath condo unit is an ideal home base for paddlers. The owner – a gracious host and avid SUP enthusiast himself – is happy to share his local paddle knowledge with guests. If you’re up for a real workout you can take the stairs from the condo directly down to the beach and paddle along the cliffs or do some surfing at the beach break.
 PRAIA DA PIPA RN BRASIL 

Do you know a great way to combine surfing and exploring different beaches, towns, villages and the ever changing landscape? Booking a Surfing Safari with surf camp Pipa Brazil !
A team of experienced surfguides takes you to the best waves in this region, fitting your surfing skills. You will surf in secrets spots, where you will not have problems of overcrowding, 28/30 different types of waves that break during the year (about 14 in the summer and 16 in the winter) within 40km of coastline around Pipa.
The Surfari is ideal for those who travel alone or in small groups. Your fellow travelers are with you for three or five days, so you get a good chance to make some friends and learn from each other in the water and on the land. Our groups in general age from 18 to 35 years of age with a 50/50 mix of sexes, from all various walks of life and countries. Groups sizes of maximum 8 people plus two guides.
Surf Pipa School stands for a high level of water safety. People with zero or little surf experience will follow some classes before we will let you go free surfing. It does not matter if the waves are big, because we keep all beginners very close to the beach where the waves have less power.
Experienced Surfers paddle straight past the beginners into the line-up. Local knowledge and the use of surf forecasts will determine at which places we surf during the surf trip. Usually we will surf at three or four different places along the coastline.

Slickrock Resort, Belize

This small island on the Glover’s Reef Atoll is a true paddle paradise with endless miles of turquoise water dotted with tiny cays and islands to explore. The private island hosts only about 2 dozen guests at a time who enjoy almost every water sport imaginable including diving, fishing, SUP, kayak, kite boarding and surfing. During your week-long stay all meals are included. You’ll be delighted with the menu prepared from freshly caught fish, hand picked coconuts and other ingredients fresh from the land and sea. After dinner the ocean will lull you to sleep in your rustic beachfront cabana.

SUP surfing at Glover's Reef in Belize
Sup surfing a green wave at Glover’s Reef, Slick Rock resort in Belize

Sauble Lake, Lake Huron, Ontario

This popular Canadian summer retreat boasts warm weather, sandy beaches and miles of paddling. Lake Huron, which appears just as endless as the ocean, dominates the landscape. You could paddle for days up or down the coastline and even surf small waves most of the summer. Grab a friend and paddle from the beach up the river to Sauble Falls Park and enjoy the natural waterfalls. Cottage rentals are the lodging of choice in Sauble Beach. Try the Sandpiper and Seagull cottages built in 1937. These simple and rustic beachfront cabins offer rates starting at $145 per night.

Front Porch of the Seagull cottage on Sauble lake Ontario
Enjoy a rustic cabin in the woods across the path from miles of SUP opportunities


Yes, there is good SUP and sometimes waves and “warm” water in the Great Lakes.

North Shore, Oahu, Hawaii

Hawaii’s North Shore has one of the most concentrated stretches of surf breaks in the world. Summer visitors will enjoy clear waters and calm conditions while each winter the North Shore comes alive with huge swells. Many of the surf breaks here are best suited for expert surfers but there are some wonderful spots for stand up paddling, even if you’re a beginner. Try the scenic paddle up Haleiwa River or the beaches surroundingTurtle Bay which have played host to many SUP events. Located on a picturesque point, the Turtle Bay Resort offers SUP lessons and rentals and has plenty of turtle filled lagoons to explore as well as world class waves. The hotel offers incredible ocean views or choose one of the Ocean Villas and stay just steps from the waters edge.

girl paddling out at Turtle Bay Surf Resort
Turlte Bay Resort offers an incredible surf front location perfect for surfers, paddleboarders and families

More Exciting SUP Destinations

  1. Playa Guiones, Costa Rica – Where jungle meets the sea. Sunrise paddle in the waves with howlers monkey’s calling in the distance.
  2. Waikiki, Oahu, Hawaii –  SUP paddlers playground. Gentle waves and calm waters are ideal for first time wave riders.
  3. Surfer’s Point, Barbados – Blue water and a forgiving point break make this a popular spot for SUP.
  4. Tofino, Canada – Breathtaking, and not because of the cold water. Temperate rainforest meets an unspoiled coastline with unlimited paddling choices.
  5. Treasure Cay, Bahamas –  All girls SUP camps with clear water, white sand, unexplored islands and small waves.

Article written by Wavecation and originally posted at SUP Connect

Stand up paddle: esporte da moda nas praias e lagoas ganha mais adeptos

Stand up paddle: esporte da moda nas praias e lagoas ganha mais adeptos

Descubra mais sobre o SUP, esporte que consiste na remada em pé em cima da prancha de surfe e tem o veterano Rico de Souza como precursor no país

Por Patricia PalharesRio de Janeiro

Simples assim: uma prancha, um remo e a natureza. Basta remar em pé em cima de um pranchão que você já está praticando o stand up paddle, também conhecido como SUP. Mas é só isso mesmo? Tão simples assim? Quem pratica o SUP sabe que ele vai muito além de uma prática esportiva, ele é um estilo de vida a ser seguido. Confira, no vídeo ao lado, dicas do EU ATLETA de como se posicionar na prancha, ficar de pé e remar de maneira correta. O stand up paddle é uma mistura de lazer com qualidade de vida e, principalmente, a possibilidade de estar em contato com a natureza.

– O importante do stand up é você trabalhar os membros inferiores e superiores, adquirir hábitos saudáveis, curtir o mar, a lagoa e observar a natureza. No surfe e no SUP, nós temos a nossa maneira de comer, de se vestir, de conversar e de viver. Posso dizer que nós temos uma tribo bem diferenciada e que continua crescendo no Brasil – afirmou Rico de Souza, importante surfista brasileiro.

Rico de Souza euatleta (Foto: Divulgação)Rico de Souza trouxe o Stand Up Paddle para o Brasil e dá aulas no Rio de Janeiro para iniciantes (Foto: Divulgação)

Tudo começou nos anos 40, no Havaí. Instrutores remavam em pé sobre enormes pranchas de madeira com o intuito de acompanhar seus alunos durante as aulas de surfe. Não existia uma definição específica para esse tipo de prática, mas aos poucos cada vez mais surfistas começaram a praticar o SUP e a produzir os equipamentos necessários. O Brasil conheceu o esporte através de Rico de Souza, considerado uma das “lendas vivas” do surfe nacional.

– A primeira vez que eu vi o stand up paddle foi no Havaí. Eu vi a galera remando lá e por acaso eu era amigo do pessoal. Quando eu voltei ao Brasil, junto com o Eraldo Gueiros, resolvemos fazer uma prancha de stand up. Além de não ter o material necessário por aqui, só para shapear demorou três dias porque não conhecíamos o modelo direito – contou Rico.

Essa realidade, no entanto, mudou com o tempo. Além de ser tricampeão brasileiro de longboard e duas vezes vice-campeão mundial de longboard, Rico se tornou um empresário bem sucedido através de escolinhas e da produção de pranchas em todo o país. Mas não foi só para ele que tudo mudou. O Brasil se encantou aos poucos com o SUP, um esporte que atualmente conta com a Associação Brasileira de Stand Up Paddle (ABSUP), vários campeonatos espalhados pelo país e é a modalidade esportiva que está na moda. Você já tentou alguma vez? Deu vontade de praticar? Então confira mais dicas abaixo e busque uma vida mais saudável.

PRIMEIRO PASSO

Antes de comprar uma prancha e um remo, faça uma aula com um instrutor e descubra qual é o melhor equipamento para a modalidade que deseja praticar. Pode parecer que não, mas o tamanho errado do remo, por exemplo, diminui a agilidade na hora de fazer o SUP e prejudica o desempenho. Para não errar, veja abaixo algumas dicas sobre os equipamentos necessários para praticar a modalidade.

info Stand Up Paddle euatleta (Foto: Editoria de Arte / EUATLETA.COM)

MODALIDADES

Stand Up euatleta (Foto: Divulgação Amazônia Tribal SUP)SUP Remada é a modalidade mais paricada no Brasil (Foto: Divulgação Amazônia Tribal SUP)

Com criatividade e experiência, é possível inventar diferentes formas de remar de pé em cima de uma prancha. O SUP Yoga é um exemplo disso, uma prática que está crescendo no Brasil e não é considerada uma modalidade do esporte. É uma boa opção para quem deseja fazer apenas por lazer. Mas, para quem deseja competir e se especializar no assunto, existem apenas duas modalidades oficiais:

SUP Surf: também conhecida como SUP Wave, essa modalide consiste em descer as ondas em pé na prancha com o auxílio do remo. Pela sua dificuldade, ela possui menos praticantes no Brasil. Mas, por outro lado, existem brasileiros se destacando no cenário mundial, como Leco Salazar, que conquistou o último Campeonato Mundial, em dezembro de 2012.

SUP Remada: essa modalidade é a que mais cresce em águas brasileiras. Além de ser mais fácil de se equilibrar na prancha, ela pode ser praticada em lagoas, rios e mares com águas calmas. Sua prática consiste em ficar de pé em cima da prancha e remar pequenas ou grandes distâncias. Ela possui várias categorias, como a SUP Race, que necessita de pranchas especiais para que o surfista possa remar a favor do vento e da correnteza.

ONDE PRATICAR

stand up paddle praia da pipa
stand up paddle praia da pipa

PRAIA DA PIPA – RN – BRASIL

Belo Horizonte (Foto: Divulgação)
Belo Horizonte: Lagoa dos Ingleses
Amazonia (Foto: Divulgação)Amazônia: Lago do Tarumã, Florestas Alagadas, Encontro das Águas e Rio Amazonas
Florianópolis (Foto: Divulgação)Florianópolis: Lagoa da Conceição
rio de janeiro (Foto: Divulgação)Rio de Janeiro: Lagoa Rodrigo de Freitas, Praia de Copacabana (próximo ao forte), Praia do Leblon, Recreio, Canal da Barra da Tijuca e Praia da Macumba

PROVAS

“Battle of the Paddle”, esse é o nome da maior competição de SUP do mundo. Segundo Rico, em breve, ela estará no Brasil onde reunirá cerca de 1,5 mil remadores profissionais. Outro exemplo importante é o Campeonato Brasileiro de SUP Wave, que no ano passado superou as expectativas dos organizadores. Durante os dias 19 e 22 de outubro, por meio de uma transmissão ao vivo pela internet, os atletas brasileiros se destacaram.

Para quem está começando, existem diversas provas espalhadas pelo país. Um exemplo que além de esporte traz diversão é a prova CarnaSup. A última edição dela aconteceu no dia 9 de fevereiro, no Canto da Ilha Porchat, em São Vicente (SP). Foram mais de 120 participantes fantasiados em cima de suas pranchas com seus remos.

Para quem deseja participar de uma competição, o EU ATLETA traz uma dica. Inscreva-se já para o Circuito Rei e Rainha do Mar, uma prova que trará o SUP Race como modalidade. São três categorias diferentes: a Fun Race com 2km, a Mid Race com 7km e a Top Race com 14km. A competição será no dia 3 de março, na praia do Leblon, e começa às 13h.

PAPO DE PROFISSIONAL

Nada como quem entende do assunto para dar algumas dicas aos iniciantes. O EU ATLETA juntou dois nomes de diferentes gerações: Rico de Souza, tricampeão brasileiro de longboard e duas vezes vice-campeão mundial de longboard, e Leco Salazar, atual campeão mundial de SUP Wave. Filho de Picuruta Salazar, outro importante surfista brasileiro, Leco se destaca no SUP Wave desde 2010, quando se tornou campeão brasileiro.

– Pratico o stand up há três anos, mas comecei a surfar desde pequeno. Quando eu tinha apenas cinco, meu pai já me empurrava na prancha dele. Hoje, o SUP significa muita coisa na minha vida, pois conheço vários lugares e me sinto orgulhoso em fazer parte de todo esse crescimento e evolução do esporte – contou Leco.

LECO SALAZAR

Leco Salazar euatleta (Foto: Reprodução)

PRIMEIRO PASSO
Para ficar em pé na prancha, ajoelhe e, com as mãos apoiadas, coloque os dois pés ao mesmo tempo, um ao lado do outro. Nunca solte o remo para levantar.

A REMADA
Na remada, uma das mãos deve segurar a cabeça do remo e a outra o meio. Quando inverter o lado da remada, troque a posição das mãos. Não há regras para o número de remadas de cada lado.

EQUILÍBRIO
Olhe sempre para o horizonte para facilitar o equilíbrio. Quando sentir que entrou na onda, coloque o peso do corpo no pé de trás, para não correr o risco de embicar (mergulhar o bico da prancha na água).

RICO DE SOUZA


A PRANCHA

A escolha da prancha é a principal dica para quem está começando. Você precisa de uma pessoa para te orientar, porque a prancha muda conforme o seu peso. A flutuação tem que ser exata para o seu corpo.

O REMO
Outra escolha fundamental. Normalmente você compra ele e usa a oito polegadas acima da sua cabeça. O remo é como se fosse um braço, uma extensão do seu corpo, por isso o tamanho certo é muito importante.

ALONGAMENTO

O SUP é um esporte completo, ele trabalha a parte inferior e superior do corpo. É sempre bom fazer um alongamento antes de praticar para não se machucar. Quando você faz o movimento errado, toda a força vai para a sua coluna, o que pode causar dores e lesões.

Rico de Souza euatleta (Foto: Patricia Palhares / EUATLETA.COM)
Leco Salazar euatleta (Foto: Reprodução)Leco Salazar foi campeão mundial de SUP Wave em 2012 (Foto: Divulgação)

* Agradecimentos a Pablo Casado, fundador da Amazonia Tribal SUP

CURSO Internacional ISA SUP para Instrutores em Alagoas e Floripa – Brasil

CURSO Internacional ISA SUP para instrutores no Brasil
– dia 10/11Setembro  em Floripa SC

– 24/25 Setembro em Alagoas

curso isa sup alagoas
curso isa sup alagoas
curso isa sup floripa
curso isa sup floripa

– curso reconhecido em 97 paises !!
A Associação Internacional de Surf (ISA) é reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional (IOC) como a competente Autoridade Mundial para o Surf, o StandUp Paddle (SUP) e todas as outras atividades relacionadas. A ISA está coroando os Campeões do Mundo desde 1964.
O Programa Educacional ISA de Instrução e Treinamento para surf e sup é o padrão internacional para o credenciamento de treinadores e instrutores na indústria das escolas de surf.
PROGRAMA ISA DE TREINAMENTO E INSTRUÇÃO [CIP]
O CIP foi criado pela ISA em 1994 como um
programa progressivo de formação de instrutores. Instrutores de crianças, adultos, veteranos, pessoas com deficiência ou atletas de elite, clubes, escolas, a nível regional, estadual ou nacional, podem se tornar educadores mais eficazes participando do CIP.
Os objetivos gerais do Programa de Treinamento e Instrução ISA são:
Estabelecer um sistema internacional de Cursos de Treinamento e Instrução, para melhorar a segurança e eficácia da instrução de surf ao redor do mundo
Desenvolver ainda mais, através de programas educativos, um corpo de conhecimento em que treinadores e instrutores possam atualizar-se.
Fornecer a treinadores e instrutores oportunidades de emprego, incentivo e apoio.
Padronizar o ensino e instrução do surf e do SUP ao mais alto standard global, com exigências rigorosas, para fomentar um elevado nível de profissionalismo

reserva tu vaga aqui surfpipa@gmail.com

Roberto Moretto

ISA SUP Presenter Brasil

http://www.isasurf.org

http://www.isasupbrasil.wordpress.com

https://www.facebook.com/isasupbrasil

CURSO ISA SUP INTERNACIONAL PARA INSTRUTORES ( International Surfing Association )

CURSO DE STAND UP PADDLE PARA INSTRUTORES  DA ISA ( International Surfing Association )

A International Surfing Association (ISA) é reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional como a autoridade governante Mundial para o surf o stand up paddle e todos os outros esportes de onda a nível Nacional è reconhecida pela CBS e a CBSUP .

A Association ISA  è feliz de apresentar os novos Cursos para Certificar os Instrutores na Modalidade SUP Wave , agua planas e agua abertas no Brasil .

O objectivo dos Programas de Desenvolvimento do ISA é melhorar o esporte do SUP e definir o padrão de Certificação internacional para a segurança e a qualidade .

O Apresentador dos Cursos Roberto Moretto que ja fiz 2 Finais no Circuito Nordestino de Stand up Paddle wave e no 2014 participou do Mundial ISA SUP com a seleção Italiana ,  gostaria de colaborar com as Federações e as entidades que querem apresentar os cursos no Pais , para fazer crescer o stand up paddle de maneira mais  profissional e segura .

Os Programas de Treinamentos e instruções da ISA são projetado para desenvolver o conhecimentos e as habilidades dos indivíduos que desejam obter uma abordagem científica para ser um  treinador e instrutor de SUP. Teoria e pratica específica e global do stand up paddle , discutindo em alto nível, com atividades de praia, e de simulação dos cenários encontrados para o ensino e suas soluções , também serão tratados argumentos de marketing para as Escolas com o Apresentador Roberto Moretto que è dono Surf Camp Pipa Hostel um dos melhores surf e sup camp no Pais .

Os objetivos do Programa ISA SUP Treinamento e instruções :

– Para estabelecer um sistema internacional de Treinadores e Cursos para melhorar a segurança e eficácia da instrução do SUP ao redor do mundo.

– Para desenvolver ainda mais, através de programas educativos, um de conhecimento em que treinadores e instrutores podem atingir .

– Para fornecer a os Treinadores e Instrutores oportunidades de emprego, incentivo e apoio.

– Para o avançar dos Treinadores e instruindo como uma atividade global padronizada e altamente profissional com rigorosos requisitos.

Ao longo do tempo este programa vai se expandir para outras áreas da educação para o desenvolvimento profissional para o nosso grande esporte do SUP .

Todos os Treinadores e Instrutores ISA deve respeitar as leis e regulamentos da área em que trabalham locais. Todos os instrutores ISA deve ter no mínimo 16 anos de idade para se tornar um instrutor credenciado ISA, mas deve trabalhar sob a supervisão de um instrutor ISA com mais de 18 anos de idade. Um instrutor ISA deve ser de no mínimo 18 anos de idade para instruir sem supervisão.

international surfing association sup
international surfing association sup

Desenvolvimento SUP Para 2015, a ISA estará oferecendo os seguintes Cursos de SUP :

– Curso  SUP aguas planas (

– Curso SUP aguas abertas

– Curso SUP Surf

A afiliação ISA cresce para 91 Unidas

Desenvolvimento global é um elemento-chave da estratégia da ISA e do crescimento consistente e chegar entre os jovens ,

é a força motriz por trás das ambições da ISA de fazer do Stand up paddle um esporte Olímpico .

site da ISA : http://www.isasurf.org

Aloha !

Roberto Moretto

ISA SUP Presenters Brasil

Coach ISA SUP

Coach ISA Surf Nivel 2

Judge ISA Nivel 2

Salvavida ILS

http://www.isasurf.org

telefone : 84 – 9222 3956

para contatos email aqui :

surfpipa@gmail.com

http://www.surfpipa.com