Arquivo da tag: baia formosa

10 consejos para prácticar Stand Up Paddle (SUP)

10 consejos para prácticar Stand Up Paddle (SUP)

En los últimos años la práctica de Stand Up Paddle (SUP), ha proliferado . Y es cada vez más fácil contratar una clase de aprendizaje, una excursión guiada o simplemente alquilar una tabla.

Hoy amigos les vamos a ofrecer diez consejos para practicar el SUP, que evita los errores más comunes entre los que estan partiendo en este deporte, esperamos que con esto puedas disfrutar más de este deporte.

1. Remar con el cuerpo.Consejos para praticar SUP - Paddle Surf

Un error común es intentar remar utilizando solamente los brazos, pero el SUP es un deporte completoy debemos utilizar un movimiento del torso que acompañe a los brazos. Si sólo usamos los brazos para impulsarnos rápidamente notaremos molestias en los hombros y codos. Recordad en cada remada debéis notar como los músculos del pecho, abdomen y piernas están trabajando en el mismo sentido que los brazos.

2. No busques el equilibrio sólo con las piernas.

Al igual que en el anterior punto hemos dicho que no sólo reman los brazos no debes intentar mantener el equilibrio sólo con las piernas. En el Paddle Surf debemos posicionarnos con los pies ligeramente separados, en línea recta con nuestros hombros. Una vez que estemos colocados las piernas las utilizaremos para mantenernos de pie y para ayudar en el movimiento global de la remada, pero el equilibrio lo debemos mantener con el cuerpo. Si empezamos a mover los pies estamos perdidos, se desequilibra la tabla y vamos a caer.

3. Mirar hacia el horizonte.

Como ya hemos dicho la postura correcta es en el centro de la tabla, con los pies separados a la altura de los hombros y con el cuerpo recto. Nuestra vista debe estar en el horizonte esto ayuda a una posición corporal correcta. Si miramos nuestros pies, o el agua que nos rodea, el cuerpo tiende a curvarse, perdemos la verticalidad y caemos.

4. Mantén las manos separadas.

Un error común entre los principiantes es tener las manos demasiado pegadas entre sí a la hora de coger el remo, lo que repercute enormemente en la efectividad del remado. La posición correcta de las manos es una en el extremo del remo (manilla)  y la otra mano prácticamente en la mitad del remo. (la idea es que no estén muy juntas)

Fitness-Lifestyle-MDeYoung-MD120726VAK_WS43-2

5. Hunde completamente la pala.

Para conseguir un remado eficaz debemos estirar ambos brazos y clavar la pala del remo completamente dentro del agua, después con un movimiento global del cuerpo recogemos los brazos, siempre con la pala completamente hundida. Esta es la manera más eficaz de propulsarse, si no hundimos la pala completamente, el esfuerzo será casi el mismo pero el movimiento que consigamos de la tabla será muy inferior.

6. La pala no debe sobrepasar la línea de tus pies.

El movimiento de remado, como ya he dicho debe empezar con los brazos estirados, y debe terminar cuando la pala alcanza la línea de nuestros pies. Una vez hayamos alcanzado la linea que marcan nuestros pies es momento de sacar la pala completamente del agua y volver a estirar los brazos para una nueva remada. Para mantener un trazado recto las remadas hacia nuestro lado más natural, el izquierdo de la tabla si somos diestros y el contrario si somos zurdos, se deben combinar con remadas al otro lado de la tabla para mantener el rumbo deseado.

7. Sepárate del resto de surfers.

Si bien es una experienc10 Consejos para praticar Paddle Surf - SUPia más divertida realizar excursiones en grupo debemos tener en cuenta de mantener cierta distancia con los otros remeros y sus tablas, el mar es muy grande. Las tablas de Sup suelen ser de mayor tamaño, para favorecer la estabilidad, son duras y pesadas, y en el mar es difícil hacer frenar en seco cualquier embarcación, por lo que debemos evitar posibles choques con otras tablas.

8. Usa una correa.

Si no llevas un chaleco salvavidas utiliza una leash (correa) que impida alejarte de la tabla en caso de caer. El mar es grande y, a veces traicionero, y nunca sabemos que nos puede deparar una excursión. El uso de una leash atada a tu pierna y a la tabla de SUP en el otro extremo impedirá que en caso de caída la tabla se aleje de nosotros y quedarnos varados en medio del mar.

9. Vigila las olas y los vientos fuertes.

Antes de realizar la actividad debemos conocer el estado de la mar y asegurarnos que podremos controlar la tabla. Las tablas de SUP son de mayor tamaño que las de Surf y con olas fuertes debes ser un experto para mantener la tabla en equilibrio.

10. Aprende a caer.

Como en cualquier deporte en que interviene el equilibrio te vas a caer, la suerte es que como es un deporte acuático te caerás dentro del agua, no obstante debemos aprender a caer, si caemos demasiado cerca de la tabla nos podemos golpear con ella, y ya os hemos dicho que son duras. Las caídas son inevitables por eso os recomendamos aprender a controlarlas.

Espero les hayan gustado estos diez consejos para practicar SUP. Espero se  conviertan en grandes maestros de esta disciplina, especialmente esperamos que sirvan a los principiantes para tener un primer contacto con este deporte más placentero al tener conocimiento de los errores más frecuentes.

Nos vemos en el Agua Amigos!

Comunidad Chilesup.cl

Anúncios

Top 5 Wavecation spots for SUP – stand up paddle

Top 5 Wavecation spots for SUP

Five Great SUP Trips for Your Next Vacation

If you’ve been getting into the Stand Up Paddle scene over the last few years you’ve probably realized it’s a really great way to explore previously unsurfed areas as well as your local waterways. Now you may be ready to take your skills on the road and explore someplace new.  Are you yearning to embark on your own paddleboard travel adventure but don’t know where to start?  Here’s a list of five exceptional and unique SUP getaway destinations and accommodations.  So just sit back, relax and day dream about your next SUP trip.


Gerry Lopez taking off on a clean wall somewhere near Punta Mita, Mexico.

Punta Mita, Mexico

The Waikiki of Mexico, this laid back and tourist-friendly area is only 20 minutes from the airport in Puerto Vallarta and SUP is taking off in a big way down there. From the point break in funky Sayulita, to the rolling waves of Anclote, or the downwinders along the sparkling coast, this gorgeous peninsula is set up perfectly for stand up paddle fun.  When you go, check out the beachfront Cinco Hotel. This upscale hotel is doing a fabulous job of catering to the SUP community.  The owner has teamed up with the Pipe Master himself, Gerry Lopez, to offer SUP and yoga camps (next one is May 24-26). Not only does the hotel have SUP boards on site for guest use, but the rooms also look directly onto the Anclote surf break – known as one of the best beginner waves in Mexico.

Dana Point, California

Dana Point is a picturesque beachside community and a SUP hotspot. In the heart of Dana Point you’ll find Doheny Beach, home to the annual Battle of the Paddle and other SUP races throughout the year. Around the corner is Baby Beach, a wide sandy beach that serves as a meeting place and entry point for flat water paddling in the harbor.  For a perfectly located place to stay in Dana Point try the Dana Shores condo.


View from the Dana Shores Condo. The Strand surf break down below and the Ritz-Carlton on the next point.

Perched atop a bluff with commanding views of the dazzling coastline and passing whales, this 2 bed/2 bath condo unit is an ideal home base for paddlers. The owner – a gracious host and avid SUP enthusiast himself – is happy to share his local paddle knowledge with guests. If you’re up for a real workout you can take the stairs from the condo directly down to the beach and paddle along the cliffs or do some surfing at the beach break.
 PRAIA DA PIPA RN BRASIL 

Do you know a great way to combine surfing and exploring different beaches, towns, villages and the ever changing landscape? Booking a Surfing Safari with surf camp Pipa Brazil !
A team of experienced surfguides takes you to the best waves in this region, fitting your surfing skills. You will surf in secrets spots, where you will not have problems of overcrowding, 28/30 different types of waves that break during the year (about 14 in the summer and 16 in the winter) within 40km of coastline around Pipa.
The Surfari is ideal for those who travel alone or in small groups. Your fellow travelers are with you for three or five days, so you get a good chance to make some friends and learn from each other in the water and on the land. Our groups in general age from 18 to 35 years of age with a 50/50 mix of sexes, from all various walks of life and countries. Groups sizes of maximum 8 people plus two guides.
Surf Pipa School stands for a high level of water safety. People with zero or little surf experience will follow some classes before we will let you go free surfing. It does not matter if the waves are big, because we keep all beginners very close to the beach where the waves have less power.
Experienced Surfers paddle straight past the beginners into the line-up. Local knowledge and the use of surf forecasts will determine at which places we surf during the surf trip. Usually we will surf at three or four different places along the coastline.

Slickrock Resort, Belize

This small island on the Glover’s Reef Atoll is a true paddle paradise with endless miles of turquoise water dotted with tiny cays and islands to explore. The private island hosts only about 2 dozen guests at a time who enjoy almost every water sport imaginable including diving, fishing, SUP, kayak, kite boarding and surfing. During your week-long stay all meals are included. You’ll be delighted with the menu prepared from freshly caught fish, hand picked coconuts and other ingredients fresh from the land and sea. After dinner the ocean will lull you to sleep in your rustic beachfront cabana.

SUP surfing at Glover's Reef in Belize
Sup surfing a green wave at Glover’s Reef, Slick Rock resort in Belize

Sauble Lake, Lake Huron, Ontario

This popular Canadian summer retreat boasts warm weather, sandy beaches and miles of paddling. Lake Huron, which appears just as endless as the ocean, dominates the landscape. You could paddle for days up or down the coastline and even surf small waves most of the summer. Grab a friend and paddle from the beach up the river to Sauble Falls Park and enjoy the natural waterfalls. Cottage rentals are the lodging of choice in Sauble Beach. Try the Sandpiper and Seagull cottages built in 1937. These simple and rustic beachfront cabins offer rates starting at $145 per night.

Front Porch of the Seagull cottage on Sauble lake Ontario
Enjoy a rustic cabin in the woods across the path from miles of SUP opportunities


Yes, there is good SUP and sometimes waves and “warm” water in the Great Lakes.

North Shore, Oahu, Hawaii

Hawaii’s North Shore has one of the most concentrated stretches of surf breaks in the world. Summer visitors will enjoy clear waters and calm conditions while each winter the North Shore comes alive with huge swells. Many of the surf breaks here are best suited for expert surfers but there are some wonderful spots for stand up paddling, even if you’re a beginner. Try the scenic paddle up Haleiwa River or the beaches surroundingTurtle Bay which have played host to many SUP events. Located on a picturesque point, the Turtle Bay Resort offers SUP lessons and rentals and has plenty of turtle filled lagoons to explore as well as world class waves. The hotel offers incredible ocean views or choose one of the Ocean Villas and stay just steps from the waters edge.

girl paddling out at Turtle Bay Surf Resort
Turlte Bay Resort offers an incredible surf front location perfect for surfers, paddleboarders and families

More Exciting SUP Destinations

  1. Playa Guiones, Costa Rica – Where jungle meets the sea. Sunrise paddle in the waves with howlers monkey’s calling in the distance.
  2. Waikiki, Oahu, Hawaii –  SUP paddlers playground. Gentle waves and calm waters are ideal for first time wave riders.
  3. Surfer’s Point, Barbados – Blue water and a forgiving point break make this a popular spot for SUP.
  4. Tofino, Canada – Breathtaking, and not because of the cold water. Temperate rainforest meets an unspoiled coastline with unlimited paddling choices.
  5. Treasure Cay, Bahamas –  All girls SUP camps with clear water, white sand, unexplored islands and small waves.

Article written by Wavecation and originally posted at SUP Connect

Stand up paddle: esporte da moda nas praias e lagoas ganha mais adeptos

Stand up paddle: esporte da moda nas praias e lagoas ganha mais adeptos

Descubra mais sobre o SUP, esporte que consiste na remada em pé em cima da prancha de surfe e tem o veterano Rico de Souza como precursor no país

Por Patricia PalharesRio de Janeiro

Simples assim: uma prancha, um remo e a natureza. Basta remar em pé em cima de um pranchão que você já está praticando o stand up paddle, também conhecido como SUP. Mas é só isso mesmo? Tão simples assim? Quem pratica o SUP sabe que ele vai muito além de uma prática esportiva, ele é um estilo de vida a ser seguido. Confira, no vídeo ao lado, dicas do EU ATLETA de como se posicionar na prancha, ficar de pé e remar de maneira correta. O stand up paddle é uma mistura de lazer com qualidade de vida e, principalmente, a possibilidade de estar em contato com a natureza.

– O importante do stand up é você trabalhar os membros inferiores e superiores, adquirir hábitos saudáveis, curtir o mar, a lagoa e observar a natureza. No surfe e no SUP, nós temos a nossa maneira de comer, de se vestir, de conversar e de viver. Posso dizer que nós temos uma tribo bem diferenciada e que continua crescendo no Brasil – afirmou Rico de Souza, importante surfista brasileiro.

Rico de Souza euatleta (Foto: Divulgação)Rico de Souza trouxe o Stand Up Paddle para o Brasil e dá aulas no Rio de Janeiro para iniciantes (Foto: Divulgação)

Tudo começou nos anos 40, no Havaí. Instrutores remavam em pé sobre enormes pranchas de madeira com o intuito de acompanhar seus alunos durante as aulas de surfe. Não existia uma definição específica para esse tipo de prática, mas aos poucos cada vez mais surfistas começaram a praticar o SUP e a produzir os equipamentos necessários. O Brasil conheceu o esporte através de Rico de Souza, considerado uma das “lendas vivas” do surfe nacional.

– A primeira vez que eu vi o stand up paddle foi no Havaí. Eu vi a galera remando lá e por acaso eu era amigo do pessoal. Quando eu voltei ao Brasil, junto com o Eraldo Gueiros, resolvemos fazer uma prancha de stand up. Além de não ter o material necessário por aqui, só para shapear demorou três dias porque não conhecíamos o modelo direito – contou Rico.

Essa realidade, no entanto, mudou com o tempo. Além de ser tricampeão brasileiro de longboard e duas vezes vice-campeão mundial de longboard, Rico se tornou um empresário bem sucedido através de escolinhas e da produção de pranchas em todo o país. Mas não foi só para ele que tudo mudou. O Brasil se encantou aos poucos com o SUP, um esporte que atualmente conta com a Associação Brasileira de Stand Up Paddle (ABSUP), vários campeonatos espalhados pelo país e é a modalidade esportiva que está na moda. Você já tentou alguma vez? Deu vontade de praticar? Então confira mais dicas abaixo e busque uma vida mais saudável.

PRIMEIRO PASSO

Antes de comprar uma prancha e um remo, faça uma aula com um instrutor e descubra qual é o melhor equipamento para a modalidade que deseja praticar. Pode parecer que não, mas o tamanho errado do remo, por exemplo, diminui a agilidade na hora de fazer o SUP e prejudica o desempenho. Para não errar, veja abaixo algumas dicas sobre os equipamentos necessários para praticar a modalidade.

info Stand Up Paddle euatleta (Foto: Editoria de Arte / EUATLETA.COM)

MODALIDADES

Stand Up euatleta (Foto: Divulgação Amazônia Tribal SUP)SUP Remada é a modalidade mais paricada no Brasil (Foto: Divulgação Amazônia Tribal SUP)

Com criatividade e experiência, é possível inventar diferentes formas de remar de pé em cima de uma prancha. O SUP Yoga é um exemplo disso, uma prática que está crescendo no Brasil e não é considerada uma modalidade do esporte. É uma boa opção para quem deseja fazer apenas por lazer. Mas, para quem deseja competir e se especializar no assunto, existem apenas duas modalidades oficiais:

SUP Surf: também conhecida como SUP Wave, essa modalide consiste em descer as ondas em pé na prancha com o auxílio do remo. Pela sua dificuldade, ela possui menos praticantes no Brasil. Mas, por outro lado, existem brasileiros se destacando no cenário mundial, como Leco Salazar, que conquistou o último Campeonato Mundial, em dezembro de 2012.

SUP Remada: essa modalidade é a que mais cresce em águas brasileiras. Além de ser mais fácil de se equilibrar na prancha, ela pode ser praticada em lagoas, rios e mares com águas calmas. Sua prática consiste em ficar de pé em cima da prancha e remar pequenas ou grandes distâncias. Ela possui várias categorias, como a SUP Race, que necessita de pranchas especiais para que o surfista possa remar a favor do vento e da correnteza.

ONDE PRATICAR

stand up paddle praia da pipa
stand up paddle praia da pipa

PRAIA DA PIPA – RN – BRASIL

Belo Horizonte (Foto: Divulgação)
Belo Horizonte: Lagoa dos Ingleses
Amazonia (Foto: Divulgação)Amazônia: Lago do Tarumã, Florestas Alagadas, Encontro das Águas e Rio Amazonas
Florianópolis (Foto: Divulgação)Florianópolis: Lagoa da Conceição
rio de janeiro (Foto: Divulgação)Rio de Janeiro: Lagoa Rodrigo de Freitas, Praia de Copacabana (próximo ao forte), Praia do Leblon, Recreio, Canal da Barra da Tijuca e Praia da Macumba

PROVAS

“Battle of the Paddle”, esse é o nome da maior competição de SUP do mundo. Segundo Rico, em breve, ela estará no Brasil onde reunirá cerca de 1,5 mil remadores profissionais. Outro exemplo importante é o Campeonato Brasileiro de SUP Wave, que no ano passado superou as expectativas dos organizadores. Durante os dias 19 e 22 de outubro, por meio de uma transmissão ao vivo pela internet, os atletas brasileiros se destacaram.

Para quem está começando, existem diversas provas espalhadas pelo país. Um exemplo que além de esporte traz diversão é a prova CarnaSup. A última edição dela aconteceu no dia 9 de fevereiro, no Canto da Ilha Porchat, em São Vicente (SP). Foram mais de 120 participantes fantasiados em cima de suas pranchas com seus remos.

Para quem deseja participar de uma competição, o EU ATLETA traz uma dica. Inscreva-se já para o Circuito Rei e Rainha do Mar, uma prova que trará o SUP Race como modalidade. São três categorias diferentes: a Fun Race com 2km, a Mid Race com 7km e a Top Race com 14km. A competição será no dia 3 de março, na praia do Leblon, e começa às 13h.

PAPO DE PROFISSIONAL

Nada como quem entende do assunto para dar algumas dicas aos iniciantes. O EU ATLETA juntou dois nomes de diferentes gerações: Rico de Souza, tricampeão brasileiro de longboard e duas vezes vice-campeão mundial de longboard, e Leco Salazar, atual campeão mundial de SUP Wave. Filho de Picuruta Salazar, outro importante surfista brasileiro, Leco se destaca no SUP Wave desde 2010, quando se tornou campeão brasileiro.

– Pratico o stand up há três anos, mas comecei a surfar desde pequeno. Quando eu tinha apenas cinco, meu pai já me empurrava na prancha dele. Hoje, o SUP significa muita coisa na minha vida, pois conheço vários lugares e me sinto orgulhoso em fazer parte de todo esse crescimento e evolução do esporte – contou Leco.

LECO SALAZAR

Leco Salazar euatleta (Foto: Reprodução)

PRIMEIRO PASSO
Para ficar em pé na prancha, ajoelhe e, com as mãos apoiadas, coloque os dois pés ao mesmo tempo, um ao lado do outro. Nunca solte o remo para levantar.

A REMADA
Na remada, uma das mãos deve segurar a cabeça do remo e a outra o meio. Quando inverter o lado da remada, troque a posição das mãos. Não há regras para o número de remadas de cada lado.

EQUILÍBRIO
Olhe sempre para o horizonte para facilitar o equilíbrio. Quando sentir que entrou na onda, coloque o peso do corpo no pé de trás, para não correr o risco de embicar (mergulhar o bico da prancha na água).

RICO DE SOUZA


A PRANCHA

A escolha da prancha é a principal dica para quem está começando. Você precisa de uma pessoa para te orientar, porque a prancha muda conforme o seu peso. A flutuação tem que ser exata para o seu corpo.

O REMO
Outra escolha fundamental. Normalmente você compra ele e usa a oito polegadas acima da sua cabeça. O remo é como se fosse um braço, uma extensão do seu corpo, por isso o tamanho certo é muito importante.

ALONGAMENTO

O SUP é um esporte completo, ele trabalha a parte inferior e superior do corpo. É sempre bom fazer um alongamento antes de praticar para não se machucar. Quando você faz o movimento errado, toda a força vai para a sua coluna, o que pode causar dores e lesões.

Rico de Souza euatleta (Foto: Patricia Palhares / EUATLETA.COM)
Leco Salazar euatleta (Foto: Reprodução)Leco Salazar foi campeão mundial de SUP Wave em 2012 (Foto: Divulgação)

* Agradecimentos a Pablo Casado, fundador da Amazonia Tribal SUP

Italo Ferreira atleta de Baia Formosa entra no Word Tour of Surfing ASP

Italo Ferreira garante vaga no WCT 2015 no O´Neill SP Prime em Maresias

[ 0 ]November 7, 2014 | 

Três brasileiros vão disputar os 40 mil dólares e os 6.500 pontos do título no O´Neill SP Prime, contra quatro australianos e um surfista da Costa Rica neste sábado em São Sebastião. Filipe Toledo bateu os recordes do dia na bateria que fechou a sexta-feira de ondas de 2-3 pés com mais um show de aéreos na Praia de Maresias. Antes, o também paulista Wiggolly Dantas já havia assumido a liderança no ranking do ASP Qualification Series e o potiguar Italo Ferreira confirmado sua classificação para a elite mundial do WCT também com a passagem para as quartas de final da etapa do ASP Prime apresentada pelo Guaraná Antarctica em São Sebastião. A primeira chamada para as quartas de final foi marcada para as 7h30 do sábado na praia mais badalada do litoral norte de São Paulo.

Italo Ferreira confirma vaga no WCT 2015 em Maresias (Foto: Daniel Smorigo / ASP)

“Estou muito feliz por ter avançado mais uma fase, que está me confirmando para o WCT do próximo ano, mas quero ir além disso, quero avançar pra semifinal, depois pra final porque o objetivo é vencer este campeonato”, disse Italo Ferreira, que já aparece em quinto lugar no ranking após a vitória sobre o pernambucano Ian Gouveia. Ele agora vai enfrentar na segunda quarta de final do O´Neill SP Prime ao australiano Julian Wilson, que barrou Gabriel Medina no quarto confronto da sexta-feira em Maresias.

“Minha meta era mesmo garantir a vaga no WCT aqui nesta etapa para chegar mais tranquilo no Havaí”,continuou Italo Ferreira. “Sei que lá vai ser muito difícil pra mim, porque este é o primeiro ano que vou participar da Tríplice Coroa Havaiana, então não queria precisar de resultados lá. Agora vou surfar mais tranquilo e estou muito feliz por realizar um sonho da minha família e de toda a cidade que eu moro, Baía Formosa, que era entrar no WCT, mas ainda quero ir mais longe aqui neste evento”.

Também muito feliz ficou o paulista Wiggolly Dantas, que já chegou no Brasil com sua vaga confirmada no WCT na etapa do ASP Prime de Cascais em Portugal. Desde então, seu objetivo passou a ser campeão do ranking do ASP Qualification Series, como ele mesmo afirmou na etapa do ASP 6-Star de Santa Catarina que abriu a “perna brasileira” de fim de ano da ASP South America duas semanas atrás na Praia da Joaquina, em Florianópolis. Wiggolly ultrapassou o ex-líder Jadson André quando derrotou o australiano Garrett Parkes nas oitavas de final e agora terá um confronto direto pela liderança do ranking com o australiano Matt Banting, no duelo que vai abrir as quartas de final neste sábado em São Sebastião.

Wiggolly Dantas vai dormir na sexta-feira como líder do ranking (Foto: Daniel Smorigo / ASP)

“Eu estou na frente agora, só que ainda tem dois na briga, o Matt (Banting) e o Filipinho (Toledo), então não tem nada confirmado, mas continuo focado neste objetivo que é ser campeão do QS e para isso preciso de um ótimo resultado aqui em Maresias”, falou Wiggolly Dantas, após a vitória sobre Garrett Parkes.“O mar está difícil, mas consegui achar duas ondinhas boas para fazer umas batidas fortes que me garantiram boas notas para vencer. Agora vamos ver como vai estar o mar amanhã (sábado) e tomara que eu consiga achar boas ondas nas baterias para continuar avançando até a final”.

MEDINA ELIMINADO – Os resultados da sexta-feira na Praia de Maresias provocaram algumas mudanças significativas no ranking do ASP Qualification Series. Além do paulista Wiggolly Dantas, que vai amanhecer o sábado como líder do ranking, dois australianos entraram no G-10 do QS com a classificação para as quartas de final, Julian Wilson e Jack Freestone. O primeiro eliminou o número 1 do mundo, Gabriel Medina, no quarto confronto da sexta-feira, ainda pela repescagem para as oitavas de final.

“Eu precisava muito passar essa bateria e sabia que ia ser muito difícil, provavelmente a mais difícil contra o Gabi (Gabriel Medina), que é um grande surfista e competia em casa aqui em Maresias”, disse Julian Wilson, que foi mais preciso na escolha das ondas para fazer os aéreos que garantiram sua vitória por 15,30 a 14,43 pontos, deixando Gabriel Medina em 17.o lugar no O´Neill SP Prime. “As ondas diminuíram bastante e só quis esperar pelas maiores, acho que venci por isso. Fico triste pelo Gabriel, mas eu precisava mais dos pontos neste ranking do que ele e desejo muita sorte para ele na disputa do título mundial lá em Pipeline”.

Jack Freestone entrou no G-10 com a classificação na sexta-feira (Foto: Daniel Smorigo / ASP)

AUSTRALIANOS NO G-10 – Depois, Julian Wilson ganhou uma briga particular pelo décimo lugar no ranking com Joan Duru nas oitavas de final, mas o francês ainda permanece na zona de classificação para o WCT, agora ocupando a penúltima posição no G-10 do ASP Qualification Series que está sendo fechado por Charles Martin, da ilha Guadalupe. Já a entrada de Jack Freestone na lista dos dez do QS aconteceu quando o bicampeão mundial Pro Junior da ASP derrotou o surfista da Costa Rica que vinha sendo uma das surpresas do O´Neill SP Prime, Noe Mar McGonagle.

“O mar está mudando muito, a cada hora parece que muda tudo. Em um momento o vento fica maral, muito difícil, depois o mar ficou mais liso, com boas ondas, ou seja, você tem que ser inteligente para se adaptar rapidamente às condições do mar”, disse Jack Freestone, que vai encarar o favorito ao título na Praia de Maresias, Filipe Toledo. “É bom saber que agora já apareço entre os dez do QS, mas acho que tenho que passar mais umas duas baterias aqui para ficar mais tranquilo. Eu terei uma bateria difícil amanhã (sábado) contra o Filipe (Toledo), que está surfando num nível impressionante aqui. Ele é o cara a ser batido, mas se você quer ser o melhor, tem que surfar contra os melhores mesmo e vamos ver no que vai dar”.

Além dos australianos Julian Wilson e Jack Freestone e do francês Joan Duru, que também ingressou no G-10 com sua participação no O´Neill SP Prime, mais dois surfistas ainda podem entrar na zona de classificação para o WCT no último dia do ASP World Prime de São Sebastião, o australiano Nathan Hedge e o costa-ricense Carlos Muñoz. Os dois se enfrentarão na terceira quarta de final e só um seguirá na busca por um lugar no G-10 antes do encerramento da temporada na Tríplice Coroa Havaiana. Hedge ganhou um duelo emocionante contra o também australiano Matt Wilkinson e Carlos Munoz derrotou o catarinense Alejo Muniz igualmente nas oitavas de final.

SHOW PARA FECHAR O DIA – A torcida que mais uma vez encheu a praia, ficou um pouco decepcionada pela eliminação do ídolo Gabriel Medina, mas aguardou até o último confronto do dia para assistir e vibrar com mais um show de Filipe Toledo nas ondas de Maresias. O surfista de Ubatuba que atualmente mora na Califórnia, voltou a apresentar o seu arsenal de aéreos para bater todos os recordes da sexta-feira com a nota 9,23 que recebeu pelo voo mais incrível e os 17,83 pontos que totalizou na fácil vitória sobre o italiano Leonardo Fioravanti. Só ele superou as marcas de Matt Banting – nota 9,00 e 17,23 pontos – na bateria que abriu as oitavas de final contra o também australiano Connor O´Leary.

Filipe Toledo dando outro show em Maresias (Foto: Daniel Smorigo / ASP)

“Estar aqui no Brasil com a minha família e meus amigos é muito bom, surfando ondas boas e fazendo um ótimo campeonato é melhor ainda, estou muito feliz”, disse Filipe Toledo. “Está dando tudo certo para mim e estou bem focado, procurando analisar bem o mar antes das minhas baterias, bem atento a tudo, com a cabeça no lugar e Deus está me ajudando. Eu só tenho que agradecer a Deus e a minha família por tudo que está acontecendo para mim neste evento e espero ir o mais longe possível, quem sabe fazer a final aqui e ganhar o campeonato”.

FESTAS E SHOWS – Além das disputas por pontos decisivos na corrida pelas vagas no WCT de 2015, a etapa mais importante da “perna brasileira de fim de ano” da ASP South America também programou várias atrações para o público que deve lotar a Praia de Maresias para assistir os melhores surfistas do mundo. A Festa de Abertura já aconteceu no sábado, 1.o de novembro, no Morocco Bar e no próximo sábado o agito começa na praia mesmo, com um Festival de Música aberto ao público no final de tarde logo após o encerramento da competição, com a banda CPM 22 como principal atração. Depois, à noite, tem a Festa de Encerramento no Sirena Club.

SOBRE A O´NEILL – A marca O´Neill foi criada em 1952 na Califórnia, Estados Unidos, pelo jovem surfista na época, Jack O´Neill, no seu desejo de estender suas sessões de surfe nas águas geladas do norte da Califórnia. Pioneira na produção de roupas de neoprene (wetsuit) no mundo, a primeira loja O´Neill foi aberta na garagem da casa de Jack. Foi ele quem também inventou as cordinhas para amarrar as pranchas na perna e até a primeira bermuda sem costura especialmente para os surfistas. A marca hoje pode ser encontrada em 85 países e a O´Neill já chegou a promover uma série de etapas do Circuito Mundial WQS pelos mares mais gelados do mundo, como no Canadá, Nova Zelândia, Escócia, mas o O´Neill SP Prime na Praia de Maresias será o primeiro grande evento da marca no Brasil.

Apresentado pelo Guaraná Antarctica, o O´Neill SP Prime será realizado com patrocínio da Gillette Body, do Governo do Estado de São Paulo, através da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude, e da SABESP, além do importante apoio da Prefeitura Municipal de São Sebastião, Federação Paulista de Surf, Associação de Surf da Grande São Paulo, Associação de Surf de São Sebastião e Associação de Surf de Maresias. A Revista Fluir, o site Waves, o canal ESPN Brasil e a Rádio 89 FM, são os parceiros de mídia do evento homologado pela ASP South America como a sexta das oito etapas com status Prime do ASP Qualification Series 2014. Transmissão ao vivo na internet pelo www.oneillspprime.com

—————————————————————————————

João Carvalho – Assessoria de Imprensa da ASP South America

(48) 9988-2986 – jcarvalho@aspworldtour.com

———————————————————————————-

QUARTAS DE FINAL DO O´NEILL SP PRIME – 5.o lugar com US$ 7.000 e 3.320 pontos:

1.a: Wiggolly Dantas (BRA) x Matt Banting (AUS)

2.a: Julian Wilson (AUS) x Italo Ferreira (BRA)

3.a: Carlos Munoz (CRI) x Nathan Hedge (AUS)

4.a: Filipe Toledo (BRA) x Jack Freestone (AUS)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com US$ 4.300 e 2.400 pontos:

1.a: Matt Banting (AUS) 17.23 x 12.80 Connor O´Leary (AUS)

2.a: Wiggolly Dantas (BRA) 16.07 x 11.86 Garrett Parkes (AUS)

3.a: Italo Ferreira (BRA) 14.33 x 12.96 Ian Gouveia (BRA)

4.a: Julian Wilson (AUS) 15.26 x 13.37 Joan Duru (FRA)

5.a: Nathan Hedge (AUS) 13.14 x 11.03 Matt Wilkinson (AUS)

6.a: Carlos Munoz (CRI) 10.93 x 10.57 Alejo Muniz (BRA)

7.a: Jack Freestone (AUS) 14.06 x 9.34 Noe Mar McGonagle (CRI)

8.a: Filipe Toledo (BRA) 17.83 x 10.67 Leonardo Fioravanti (ITA)

QUARTA FASE – REPESCAGEM – Vitória=Oitavas de Final / Derrota=17.o lugar com US$ 2.700:

—————baterias que abriram a sexta-feira:

1.a: Connor O´Leary (AUS) 10.90 x 9.90 Dion Atkinson (AUS)

2.a: Wiggolly Dantas (BRA) 12.13 x 10.43 Marc Lacomare (FRA)

3.a: Ian Gouveia (BRA) 14.00 x 13.33 Brent Dorrington (AUS)

4.a: Julian Wilson (AUS) 15.30 x 14.43 Gabriel Medina (BRA)

5.a: Nathan Hedge (AUS) 12.73 x 11.16 Keanu Asing (HAV)

6.a: Alejo Muniz (BRA) 12.77 x 9.00 Caio Ibelli (BRA)

7.a: Jack Freestone (AUS) 16.04 x 9.73 David do Carmo (BRA)

8.a: Leonardo Fioravanti (ITA) 16.10 x 12.13 Heitor Alves (BRA)